quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Pessoas

Queria saber de onde vem a maldade do coração
Sempre vejo na televisão, essas guerras sem razão
E a humanidade segue todo o tipo de religião
Mas fora da igreja o que se prega é a traição;
E vejo pessoas doentes e crianças nas ruas
Sempre você acha que assim nunca vai ser a sua
Então você coloca a sua gravata e o seu paletó
Pra ficar como quer a sociedade; pra ficar mais uma vez só;
Pessoas, então, fazem suas vidas
Sem feridas, mas com mágoas tão profundas
E parecem viver num caos, mas o caos vira o céu de repente
Quando os problemas não estão mais na nossa frente.
Cada um diz para o outro: “você não é capaz”
Só pra passar na frente, deixar mais um pra trás,
Isso logo aprendemos a chamar de concorrência
Levando em conta a falta de humildade, damos outro nome: violência;
Eu vejo a esperança nos olhos de quem me maltrata
Eu vejo o choro da criança nos olhos de alguém que mata
O monstro, então, se levanta da sua morte sepultada
E faz você praticar o ódio, que cultivava em casa;
Pessoas, então, fazem suas vidas
Sem feridas, mas com mágoas tão profundas
E parecem viver num caos, mas o caos vira o céu de repente
Quando os problemas não estão mais na nossa frente.
Não é possível dizer que você não está errado,
Mas querer sempre estar certo às vezes é um caminho abstrato
Deixem que sua bondade e coragem comandem suas vidas
Elas vão com que as bobagens dos seus erros nunca mais se repitam.

Rívison - 2000

Sim, essa foi no auge dos meus 15 anos.  Há 11 anos atrás, direto do túnel do tempo.