quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Sei lá o quê





Na falta do que fazer
Fui dormir pra matar o sono
E essa sede de sei lá o quê
Meus instintos me deixam tonto
A alma aquece o vazio
Esquece que tudo é sombra
Mas enquanto a luz faz frio
As lembranças correm soltas
E é instintivo esse meu querer
De sei lá o quê
E esse meu rumo meio desarrumado
É, na verdade, eu dentro do meu quarto
Na falta do que dizer
Falei na língua dos anjos
Falei um palavrão
Falei algo que é entendido por poucos
A água esfria os ânimos
E mata essa sede de sei lá o quê
Esquece que somos banhados pela luz
E aí as dúvidas se misturam com o prazer.


Rívison           -            2008