sexta-feira, 1 de outubro de 2010

A Metade

Se eu quase te amo, isso não é justo
Pois eu te amo pela metade
Amor não é dobrado ou fracionado. Que absurdo.
Uma gota de amor corresponde à totalidade.
Vejamos minha vida tão vazia e seca de sentimentos
Se eu ainda não te amo, estou quase
Mas essa insegurança redobra o pensamento
Tira de mim a emoção e me traz a realidade.
Camões, séculos atrás, previu que você viria
Mas não sabia que o amor não bastava de um empate
Uma partida de qualquer esporte, onde ninguém ganha
Um aperto no peito provocado por uma tola ansiedade.
E quem fará valer essa mera façanha?
De transformar dois corpos em um? Então sou metade.
Só não posso ser metade no que sinto ou no que penso
Pois para te completar, tenho que ser totalidade.
Um sorriso meia-boca seu já valeria meu dia inteiro
Se eu sorrisse com você, mesmo à distância, de verdade
Mas essa espera corrói meu sentimento e meus nervos
A esperança enferruja com medo de ficar no quase.
Então, meu amor, só temos uma solução
Vamos misturar esse sentimento com nossa força de vontade
Viajaremos, então, para os mais belos terrenos
Mesmo sem sair de casa, pois a viagem o corpo invade.
E, quando estivermos no fim, nos completaremos
Pois nossa rápida vida valeu pela eternidade
Não esperamos em vão a utopia de uma primavera no gelo
Fomos fogueiras um do outro como simples metades.


Rívison -2010

3 comentários:

joyce karla disse...

Rivison, se a dona dessa inspiração toda soubesse dessa POESIA, com certeza ela CASAVA com você. Que linda poesia, que espetáculo de jogo de palavras! putz! PARABENS!

L. ¬¬ disse...

não sabia que um troglodita feito tu podia escrever uma coisa assim tão bonitinha :D

laysinhafisioterapeuta disse...

Nossa Rí..perfeito...ahh se eu fosse a responsável por essa inspiração....rsrs...
Lindo mesmo amor....
Parabéns!!