segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Solidão

 
Há momentos em que o convívio consigo mesmo
Chega a doer na alma
É como se o sol fosse embora mais cedo
É como se estivesse em um deserto sem água.
Andando por pântanos de desespero
Querendo apenas uma liberdade distante
Clamando por amor e por zelo
De corações frios e inconstantes.
A solidão, na melhor das hipóteses
É algo que amadurece o espírito
Nos deixa fortes, quando sobrevivemos
E cansados de sobreviver.
Então, vira essa garrafa, toma mais um gole
Que boa vontade é o que mais temos
O mundo é um cínico, e na pior das hipóteses
A solidão é algo que é pior do que sofrer.


Rívison  -  2009

domingo, 17 de outubro de 2010

Sobre o hipócrita religioso

Cristão de classe média alta com seu carro popular
Para justificar seus atos, você põe a mão na bíblia
"O poder de Deus habita em mim", você diz sem cansar
Xenofobia, machismo, homofobia, tudo ali se justifica.
Com sua roupa "da moda", você vai a algum barzinho
Para ter mais uma conversa vazia com seus amigos e amigas
Já na segunda cerveja, meio bêbado, profere um "se Deus quiser"
É tão hipócrita, que diz amar a todos, mas é individualista.
Só olha para si, e diz que Deus vai lhe dar o melhor emprego
É tão profano, que usa do romantismo chulo só pra fazer sexo
Tenta conquistar alguma acéfala que pensa igual a ele
Dizendo algo como: "O Senhor me fez ver os seus olhos tão belos".
Vai para a praia no fim de semana, ouvir as músicas que a mídia impõe
Quem tem um gosto diferente dele, está fadado ao inferno
Polui o mar com lata de cerveja, churrasco e palito de picolé
Mas tudo bem, ele está salvo e vai pro céu, pelo sacrifício de Cristo.
Ainda coloca suas "idéias" na política, fazendo do país um "paraíso"
É pra dar risada quando se diz comunista cristão ou pastor capitalista
Tão pautado nas crenças, e ignora, no sinal de trânsito, os meninos
Meninos que não são de classe média, não têm dinheiro, não têm vida.
Mas tudo bem,cristão de classe média alta, acéfalo e oportunista
Semana que vem vai ter mais um bacanal no seu show de forró preferido
Olhando assim, parece que não saímos dos costumes dos antigos romanos
Fé justifica a violência, e as sacanagens são todas escondidas.


Rívison - 2010

Obs.: Caro leitor, não costumo explicar meus textos, mas creio que este mereça uma explicação por tratar de um tema tão delicado como é a religião cristã. Perceba que não falo contra o cristianismo em nenhum momento e muito menos contra quem segue o cristianismo, ou seja, os cristãos. Falo contra quem se utiliza da fé cristã para cometer atos idiotas e violentos. Contra os hipócritas religiosos (como já diz o título). Para mim, pessoas deste tipo merecem, sim, as maiores críticas, para se conscientizarem de que a religião cristã não é sinônimo de retardamento mental. Já eu, parafraseio Zeca Baleiro, quando ele canta: "eu não sou cristão, eu não sou ateu".  Sinta-se à vontade para dar sua opinião, mas baseada nesta observação que reflete o que é este texto / poesia. Atenciosamente,

Rívison.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

A Metade

Se eu quase te amo, isso não é justo
Pois eu te amo pela metade
Amor não é dobrado ou fracionado. Que absurdo.
Uma gota de amor corresponde à totalidade.
Vejamos minha vida tão vazia e seca de sentimentos
Se eu ainda não te amo, estou quase
Mas essa insegurança redobra o pensamento
Tira de mim a emoção e me traz a realidade.
Camões, séculos atrás, previu que você viria
Mas não sabia que o amor não bastava de um empate
Uma partida de qualquer esporte, onde ninguém ganha
Um aperto no peito provocado por uma tola ansiedade.
E quem fará valer essa mera façanha?
De transformar dois corpos em um? Então sou metade.
Só não posso ser metade no que sinto ou no que penso
Pois para te completar, tenho que ser totalidade.
Um sorriso meia-boca seu já valeria meu dia inteiro
Se eu sorrisse com você, mesmo à distância, de verdade
Mas essa espera corrói meu sentimento e meus nervos
A esperança enferruja com medo de ficar no quase.
Então, meu amor, só temos uma solução
Vamos misturar esse sentimento com nossa força de vontade
Viajaremos, então, para os mais belos terrenos
Mesmo sem sair de casa, pois a viagem o corpo invade.
E, quando estivermos no fim, nos completaremos
Pois nossa rápida vida valeu pela eternidade
Não esperamos em vão a utopia de uma primavera no gelo
Fomos fogueiras um do outro como simples metades.


Rívison -2010