domingo, 25 de outubro de 2009

Estrela em Construção






O amor é uma estrela em construção
Dentro de um cinema sem ninguém e sem filme
Com um ar-condicionado no máximo, congelando o vazio
Como o brilho primário de um artista no início da carreira
O amor, para uns, é uma forma de ilusão
É a maré passageira, é um tipo de brinde
É o vento polar passando por engano no Brasil
A beleza de um pássaro no início da primavera
Mas o amor é a mão salvadora
Que puxa a tampa da minha pia
E deixa escorrer toda água podre
Que lá havia.
O amor é o impacto de um caminhão
É forte, imponente, onipotente, às vezes
Uma guerra que não se vence e nem se sabe
Se ela realmente existe ou se é uma miragem
Não é sentimento, nem pensamento
É apenas uma estrela em construção
Esperando seu acabamento
É um espelho turvo que distorce a imagem.
Mas o amor é a mão salvadora
Que puxa a tampa da minha pia
E deixa escorrer toda água podre
Que lá havia.
Eu estou limpo, você também
Não precisamos mais dessa água sanitária
Meu bem, eu misturo você com minha raiva
O amor me deu a setença final, quando disse
Que as feridas são belas, porque sem elas a vida não sara.

(Rívison)

Nenhum comentário: