segunda-feira, 24 de agosto de 2009

a vida segue



Ela não quer você
A lava destruiu a cidade
O avião atrasou
O mendigo morre de fome
A vida segue.
A empresa faliu
A igreja também
Pessoas preconceituosas
Doenças fatais
A vida segue.
Educação é o segredo
Ninguém gosta de distribuir segredos
Borboletas são atropeladas
Em um espaço aéreo onde humanos têm asas.
A vida segue.
Selvagens criticam os civilizados
Civilizados se matam
A medicina lucra com a gripe
Alguém não se esquece.
A vida segue.
Elefantes e cavalos são escravos
Pessoas já foram escravizadas
Vacas são adoradas ou comidas
Seu leite mata a sede.
A vida segue.
Ela foi para longe
Cruzou um globo cheio de armadilhas
Meu coração caiu na armadilha de gostar
Olhos azuis como a Terra vista de cima
A vida segue.
Metralhadoras substituem palavras
A força substitui o pensamento
A população agora está domada
Democracia, o que é isso?
A vida segue.
Amor, o que é isso?
A vida segue.
O homem-bomba explodiu
A vida segue.
O presidente bomba manda explodir
A vida segue.
Amor, onde você está?
A vida segue.


Rívison 03/02/2007

domingo, 9 de agosto de 2009

Cansaço





Quero férias de tudo
De corpo , alma e coração
Quero escrever uma canção no escuro
Mas no escuro não se escreve uma canção
A luz elétrica investiga meus mínimos detalhes
Sempre preocupada com meu bom humor
Ela ilumina minha pele fria
Mas não esquenta nada, não há amor

Qual é o remédio
Pra quem olha tudo ao redor e sente tédio?

Acho que algum médico esqueceu um bisturi
Dentro do meu cérebro
Aos poucos, todos ficamos assim
Acomodados...
Eles acham que devem ser céticos
E outros acham que devem ser religiosos
Eles sempre querem ser donos de alguma verdade
Pra depois ficarem ociosos
No eterno sofá televisivo da terceira idade

Qual é o remédio
Pra quem olha tudo ao redor e sente tédio?

Você gosta de tudo e eu também
De música clássica a Kurt Cobain
De imperfeições a obras perfeitas
Mas meu sorriso parece até alguma imagem de Dali
Na qual você olha direito e ver tristeza

Qual é o remédio
Pra quem olha tudo ao redor e sente tédio?

Estamos sempre nos mudando, quanta insatisfação
Somos eternos nômades da nossa aparência
Estamos sempre nos vendendo, pela liquidação
Eternamente liquidados pela nossa inconsciência.

(Rívison B.) 25/09/2006


Ps. Para os que não se recordam (e para os que se recordam também), toquei essa música há 2 anos atrás, no auditório da biblioteca da Ufal, no 1º festival de Estética. Sim, já tive meu momento rock star.