segunda-feira, 20 de abril de 2009

Fatos da minha vida - A Noite – Uma paixão sem sofrimentos

Quando eu tinha, mais ou menos, uns 11 anos de idade, eu adorava deitar, à noite, em uma caixa d’água enorme, feita de cimento, que tinha bem no meio do quintal enorme da minha casa, em Recife, e ficava vendo as estrelas. Passava horas olhando pro céu, vendo as constelações mudarem de lugar. Quando ficava muito tarde, minha mãe abria a porta da cozinha, que dava de frente ao quintal, e dizia: “tá bom de entrar, né?”. E eu olhava tão atentamente aquele céu escuro cheio de pingos dourados que a voz da minha mãe parecia não surtir um efeito de ordem, mas completava o silêncio das estrelas, dava voz a elas. Quando eu olho para trás, eu vejo como aquilo era bonito de se fazer, como a vida valia a pena só por estar ali, vendo algo fantástico e inesgotável (e sem preço). Depois eu entrava, tomava meu banho, ía dormir para acordar cedo para a escola. Eu acordava umas seis da manhã, e ía direto pro quintal, onde os raios de sol se misturavam com o vento frio do amanhecer. De certa maneira, aquelas estrelas, através do silêncio misturado com a voz da minha mãe, e através de um brilho que variava de uma pra outra, souberam injetar a paixão pela noite nas minhas veias, de forma prazerosa, materna e indolor.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Fatos da minha vida - DEUS

Quando eu era pequeno, bem pequeno mesmo, perguntava para as pessoas onde estava Deus. Elas sempre apontavam para cima. Naquela época, isso me fez acreditar que Deus estava no telhado da minha casa. Então, ía para o quintal (onde tinha uma visão completa do teto da casa) e observava cada detalhe do telhado. Não havia nada. Mas eu tornava a perguntar, e as pessoas teimavam em apontar para cima. Com tanta insistência delas, pensei então que Deus estava embaixo do telhado, dentro da construção. Eu não via, mas acreditava, era um simbolismo perfeito. Em uma manhã, parte do teto do quarto onde eu dormia desabou. Foi a parte oposta onde eu estava. Era minha chance de procurar Deus! Estava tudo à vista naquela imensa abertura no teto do meu quarto: telhas, tijolos, madeira, mas nada se movia. De repente, ouvi os passos apressados da minha mãe. Eu sabia que ela ía me pegar nos braços e me tirar dali. Então, dei mais ênfase à minha busca por Deus; mas olhava, olhava, e a única coisa que se mexia no meio daquele vazio no teto e dos escombros no chão era a poeira. Vejo minha mãe assustada na porta do quarto. Ela vem até mim, me pega nos braços e diz: "Graças a Deus que você está bem".

domingo, 12 de abril de 2009

Eu Acredito



Eu tenho o cheiro de rosas nas mãos
E um olhar tristonho pro chão
Eu tenho um coração que quase pára
Minha vida nesse silêncio torna-se rara

Eu sinto calor, mas não procuro ar fresco
Apenas me refresco com possibilidades
Minha vida, sem rumo, dá até medo
Queria que alguém aparecesse e me mostrasse a verdade

O violão na capa é mudo e preto
E tem uma corda partida, há um ano
Símbolo da minha adolescência incerta
Hoje, ele descansa ouvindo a música dos anjos

E eu ainda tenho o cheiro de rosas nas mãos
Porque ainda acredito no amor mesmo sem demonstrar
Meu sorriso falso é um disfarce pra dor
Que esse vazio causa e por muito tempo causará.

Mas eu ainda acredito no amor
E que alguém se mudará para mim
Mas não é preciso mudar
Só é preciso que essa verdade não tenha fim.

13/11/2008 Rívison Batista

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Verdade Absoluta




Existe uma verdade absoluta
A que o tempo passa, e passa sem esperar
Se você apenas assistir ele passar e não tomar uma atitude
Um dia estará sentado na sua cadeira de balanço, sozinho
Segurando um copo com água.

Existe uma verdade absoluta
A que você envelhece, e envelhece por dentro também
Se você apenas cuidar da imagem por fora
Um dia você vai parecer que tem uma pele de alguém de 15 anos
Mas vai ter a mente de alguém que viveu 100 anos em uma caverna.

Existe uma verdade absoluta
Um dia, as pessoas que você ama vão partir
Se você apenas cuidar da sua vida profissional
Um dia você vai perceber que esqueceu de dar amor
E se tivesse dado, as pessoas que você ama estariam bem vivas dentro de você.

Existe uma verdade absoluta
Você nasceu e você vai morrer
Se você perceber que tudo é possível até o último dia
Você vai voar, amar, nadar, e fazer coisas improváveis
E quando respirar pela última vez vai sorrir porque venceu a morte.

Existe uma verdade absoluta
Tudo ao seu redor é mentira
Os prédios, a propaganda da cerveja, carros e dinheiro
Se você notar que a única coisa verdadeira é o ato de coragem de quem te ama
Você vai enxergar a verdade, a primeira verdade absoluta:
É na simplicidade de um olhar que se esconde a felicidade.


(Rívison Batista) 13/09/2007

As Árvores da Rua da Minha Infância



Todo o dia eu digo que vou ler alguma coisa
Depois o dia passa na maior monotonia
A cada hora , eu concentro minha força
Querem que eu seja um soldado em treinamento, quem diria...
Às vezes o silêncio me faz bem
Às vezes o som dos sorrisos me faz mal
Às vezes quero ter alguém
Às vezes quero algo artificial.
Saudades das árvores daquela rua
A antipatia é gerada por sua amável presença
Ela quer, eu sei, mas ela não se insinua
A religião dela é o amor, mas não sei se isso é sua crença.
Meus sonhos voaram tão alto quanto aquelas pipas
A vida era tão doce quanto aquelas frutas
A música não importava e nem se eu sabia
Tocar um instrumento, gostava só do som da chuva.
E todo dia eu tento ler alguma coisa
Que me faça expandir o universo
Que faça meu olhar sobre o mundo
Ser bem menos complexo...
Ela quer, eu sei que ela quer, mas ela não se insinua
Ela continua sentindo falta dos beijos
Dos abraços e dos canivetes
Que fizeram ela cortar ao meio o meu desejo,
E meu corpo ficou um lugar onde a paz perece.
A religião dela é o amor,
Saudades das árvores daquela rua
Essa garota me faz sentir tanta dor
A felicidade é quente, mas a realidade é tão crua.
Saudades das árvores daquela rua
Por onde eu via o sol nascer
E o sol se por
Saudades da rua da minha infância
Onde tudo que eu queria era só imaginar
E eu podia ter o que eu quisesse a qualquer hora
Como uma criança que sonha escutando
Como uma criança que escuta sonhando
Uma eterna música de ninar.


Rívison Batista 18/09/06