sexta-feira, 23 de maio de 2008

Algo doce na tarde de verão

A madrugada irrompe outras forças
Eu sonho acordado pensando em algo bom
De olho aberto, sentindo a brisa da noite
Eu tenho o dom, qualquer um o tem
Angústia, antes fosse
Meu amor nunca partiu de trem
Porque ainda não chegou.
E eu teimo em escutar algum som
Algum som que vem não sei de onde
Se eu abro a janela, não escuto nada
Ele vem de dentro de mim.
O crepúsculo surge cozinhando meu espírito
Sou algo tão rígido
Que me esqueci de simplesmente "ser"
Aprendi a ser tão crítico
Que quem não presta é só você.
Maçãs frescas, eu queria
Para matar minha fome e sede
De algo doce;
Desilusão, antes fosse
Meu amor não me desiludiu
Porque eu nem cheguei a amá-lo
Uma abelha que da colméia fugiu
Porque se cansou de ser doce e quer provar do amargo.
Quem não se sente assim?
Mas a madrugada irrompe outras forças
E o crepúsculo aparece fervilhando o meu ser.
De olho fechado, sentindo a brisa quente
E à tarde, voltar ao doce, depois de se arrepender.

(Rívison) 17/12/2006

Um comentário:

Estêvão dos Anjos disse...

Gostei ^^

mas o q eu gostei msm foi o do "quem sou eu" kkkkkkkkkkkk